Aplicativo universal para WhatsApp, Instagram e Facebook Messenger: por quê?

Um aplicativo para governar todos eles. Quando se trata de mensagens, o Facebook tem várias marcas fortes. Além de incorporar o WhatsApp, o Facebook também tem um serviço de bate-papo com Messenger e a função de mensagens embutida do Instagram também está ganhando terreno. O próximo objetivo parece ser mesclar esses três aplicativos de bate-papo em um mensageiro definitivo.

Ao vincular as pessoas por meio de aplicativos de bate-papo, você dificulta a troca. A Apple faz isso com o iMessage: o serviço de mensagens evita que muitas pessoas (especialmente nos EUA) mudem para o Android, mantendo-as como reféns durante suas conversas. Mas também aqui ficou dolorosamente claro que é difícil fazer as pessoas mudarem do serviço de bate-papo quando o WhatsApp foi assumido pelo Facebook. As chamadas para mudar para alternativas mais seguras, como Signal e Telegram, não mudaram nada.

Com a aquisição do WhatsApp, o Facebook passa a possuir três dos maiores mensageiros: Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp. A ideia é criar um serviço universal de mensagens no qual você possa enviar mensagens multiplataforma: você pode enviar uma mensagem do WhatsApp para um usuário do Facebook, por assim dizer. O objetivo do Facebook é encorajar as pessoas a fazerem ainda mais contato umas com as outras e, assim, unir ainda mais as pessoas.

Quando se trata de ganhar dinheiro, o Facebook só conhece um truque: coletar dados e impor anúncios. Por exemplo, as tentativas de gerar um fluxo de receita saudável por meio do WhatsApp for Business, fazendo com que as empresas paguem pelo atendimento ao cliente via WhatsApp, foram interrompidas. O aplicativo de bate-papo universal do Facebook é ideal para os anúncios. Por exemplo, pense nas histórias. Eles são um grande sucesso no Instagram e gera muito dinheiro para colocar anúncios entre os vídeos temporários e as fotos. Ao copiá-lo um a um no Facebook Messenger e até no WhatsApp, o Facebook tentou em vão monetizar da mesma forma. Com um aplicativo universal, o Facebook Messenger e o WhatsApp pegariam carona no sucesso das histórias (leia-se: anúncios).

Criptografia ponta a ponta

No entanto, existem alguns desafios. Em primeiro lugar, é claro, o Facebook tem um problema de imagem. A coleta e o uso de dados freqüentemente ultrapassam os limites éticos e legais. A hesitação sobre um novo serviço do Facebook (ou um serviço antigo em uma nova bolsa) é compreensível.

Mas também é tecnicamente difícil. O WhatsApp usa criptografia de ponta a ponta para criptografar as mensagens. Dessa forma, ninguém, nem mesmo o Facebook, pode ler as mensagens. Apenas metadados podem ser coletados: quem tem contato com quem e quando. Isso deve significar que tanto o Instagram quanto o Facebook Messenger também devem mudar completamente para essa criptografia. Isso faz com que a coleta de dados com base no conteúdo das conversas não seja mais possível para o Facebook.

Quando o WhatsApp foi adquirido, o Facebook prometeu que o aplicativo de mensagens continuaria a existir como um aplicativo separado.

Quebrando promessas

No entanto, o maior problema do Facebook é a credibilidade. O que na verdade não é tão bom. Quando o WhatsApp foi adquirido, o Facebook prometeu que o aplicativo de mensagens continuaria a existir como um aplicativo separado. Isso é garantido neste plano. No momento da aquisição, a Comissão Europeia afirmou que o Facebook não pode compartilhar dados entre o serviço de mensagens e o Facebook. Uma promessa já quebrada, que resultou numa multa de 110 milhões de euros.

Os planos ainda estão em um estágio inicial, então se eles irão adiante. Essa é a questão. Também pode ser que o Facebook decida não lançar o aplicativo de bate-papo universal na Europa para evitar mais multas.

Postagens recentes