Qual é a lei de reboque e você deve votar a favor ou contra?

A Lei de Serviços de Inteligência e Segurança, também conhecida como 'lei do arrasto', vem despertando fortes emoções entre apoiadores e oponentes há mais de um ano. No dia 21 de março, podemos ir às urnas para opinar sobre a Lei dos Serviços de Inteligência e Segurança, mas mesmo esse referendo é polêmico. E quanto à WIV e no que você deve votar mais tarde? Resumindo: qual é a lei do sono?

A lei de reboque não é uma lei independente, mas uma emenda à Lei de Serviços de Inteligência e Segurança existente, que data de 2002. Segundo o governo (e os próprios serviços de inteligência), essa lei precisa de uma atualização, para que fique mais alinhada com a forma como nos comunicamos hoje. Até mesmo os oponentes concordam amplamente. No entanto, o Wiv é extremamente controverso, em particular por causa de algumas partes específicas da lei. Os oponentes gostariam de discutir isso, mas a discussão agora é dominada pela questão de se a lei de reboque deve ser introduzida. De acordo com a lei atual, os serviços de inteligência e segurança só podem captar comunicações não vinculadas a cabo (como conexões via satélite) de maneira não direcionada. A escuta telefônica só é permitida se eles tiverem uma ideia de quem estão escutando: uma escuta deve ser dirigida especificamente a uma pessoa. Mas hoje em dia quase todos os dados passam por redes de cabos (como cabos de fibra ótica ou cobre), então a lei deve ser esticada para que também possam ser explorados sem destino. Toda a comunicação digital será então tratada igualmente.

rede de arrasto

A nova lei encontrou muita resistência por causa da diferença entre torneiras direcionais e não direcionadas. De acordo com a lei atual, os suspeitos só podem ser interceptados de forma seletiva, ou seja, se houver uma suspeita clara. Com os novos poderes, os serviços de inteligência também podem realizar buscas não direcionadas. É por isso que os termos lei de arrastão e reboque surgem com tanta frequência: os oponentes temem que o AIVD ou MIVD em breve jogue fora tal rede e só então verifique se alguém fez algo ilegal. Essa também é a intenção: os serviços de inteligência, por exemplo, querem fazer análises de big data para encontrar padrões, como ligações repetidas para números sírios. Ou espionando todo um bairro onde se sabe, por exemplo, que moram frequentadores sírios. Eles também terão a oportunidade de coletar dados de vários bancos de dados de terceiros e combiná-los para se envolver na mineração de dados.

garantias

Felizmente, há uma série de salvaguardas na lei que devem evitar o abuso de tais poderes - pelo menos em teoria. Por exemplo, dados que não são relevantes devem ser excluídos e destruídos o mais rápido possível. Um período máximo de retenção também foi imposto para os dados que podem ser retidos: três anos. Os oponentes acham que isso é muito longo. A salvaguarda mais importante é um novo comitê de revisão que será estabelecido. O 'Comitê de Testes de Implantação de Poderes' (TIB) consiste em três pessoas que devem determinar se o uso de uma nova torneira é legal. É surpreendente que Ronald Prins, entre outros, tenha sido nomeado um especialista técnico para isso. Prins é o ex-proprietário do oficial de segurança do governo Fox-IT e um ex-oficial da AIVD - não a pessoa mais imparcial. O TIB também deve ser composto por dois juízes ou ex-juízes e um especialista técnico. Além da TIB, a Comissão de Fiscalização dos Serviços de Inteligência e Segurança (CTIVD), como o nome indica, fiscaliza a lei. Isso significa que os cidadãos podem apresentar queixas, e que há avaliação periódica de como o Wiv está indo e o que pode precisar ser ajustado.

Detalhes

Há muito a dizer sobre esse 'reboque' e supervisão, mas também há muitas críticas a partes controversas da lei. Por exemplo, o Conselho de Estado e a Autoridade Holandesa de Proteção de Dados apontam que os critérios de supervisão e avaliação do CTIVD e do TIB não são suficientemente transparentes e não estão definidos com clareza. Além disso, nenhum judiciário está envolvido, e o Ministro do Interior assume a responsabilidade final e pode desconsiderar o conselho do CTIVD. Isso torna a lei, em teoria, acessível a uma agenda política. O Conselho de Estado diz que é mais inteligente expandir os poderes de supervisão do CTIVD. O período de retenção de três anos também seria muito longo, sem que isso fosse necessário. Sob o Wiv, os serviços de inteligência também recebem um 'poder de hacker', o mesmo que foi anteriormente removido do Ato de Crimes Informáticos III para a polícia e o judiciário por causa de 'violação de privacidade excessiva'. Com os poderes do hacker, o AIVD e o MIVD logo serão capazes de hackear computadores e instalar malware para espionar suspeitos.

Prós e contras

Os principais partidos da Câmara dos Representantes vêm defendendo uma extensão dos poderes há anos e, sob o gabinete anterior do VVD-PvdA, a lei foi aprovada pela (s) Câmara (s). O ex-ministro do Interior Ronald Plasterk, em particular, costumava dizer que a lei era necessária. Mas também há um grupo crescente de políticos que não concorda com essa extensão. Em particular, o SP e o Party for the Animals, e Kees Verhoeven do D66 eram oponentes vocais.

Existem muito mais oponentes de fora da política, todos os quais expressaram suas objeções aos novos poderes. Claro, isso inclui proeminentes defensores da privacidade, como Bits Of Freedom e Privacy First, que chamam a lei de “nenhum lugar em uma democracia aberta” e “extremamente totalitária”, respectivamente. Além disso, um grupo de 29 cientistas proeminentes assinou uma carta aberta à Câmara dos Deputados para não concordar com a lei. É mais surpreendente que o competente Conselho do Judiciário, o Conselho de Estado e a Autoridade de Proteção de Dados holandesa também tenham expressado fortes críticas, que não foram atendidas.

Referendo

A polêmica em torno da lei do reboque foi acelerada pelo referendo que uma série de estudantes organizou, que nos permitiu ir às urnas em 21 de março. No ano passado, um grupo de estudantes iniciou uma petição contra a lei de reboque, que (com uma pequena ajuda do programa de assuntos atuais Zondag Met Lubach) levantou votos suficientes. Isso causou um rebuliço imediato porque o governo já havia sinalizado que ignoraria um possível 'não' em qualquer caso.

Ações judiciais

Portanto, já parece que as emendas à Lei de Serviços de Inteligência e Segurança serão eventualmente introduzidas, apesar de todas as críticas. Muitos opositores já anunciaram que iniciarão ações judiciais contra pelo menos certas partes da lei - se ela se tornar definitiva. Por exemplo, a Associação Holandesa de Jornalistas, o Comitê Jurídico de Direitos Humanos e Privacidade em Primeiro Lugar querem ir a tribunal, embora nenhum caso oficial tenha sido aberto ainda.

A grande questão é, obviamente, qual é a melhor forma de votar no referendo. Em qualquer caso, um voto 'não' não parece muito eficaz: Buma, do partido governante CDA, é mais vocal em sua declaração de ignorar esse resultado. No entanto, uma voz dissidente não está perdida. Grupos de privacidade podem usar esse resultado como munição para eleições e os muitos processos futuros contra elementos polêmicos específicos, como retenção de longo prazo, poderes de hack ou mineração de banco de dados. Além disso, os partidos do governo parecem estar usando uma tática de campanha para tirar o ferrão das discussões substantivas sobre o assunto. Uma votação, portanto, não é necessariamente perdida.

Emendas

Desde o primeiro projeto de lei para o Wiv, tem havido muitas críticas à lei de vários partidos. De provedores a organizações de direitos humanos e até mesmo o Conselho de Estado. Até o CTIVD, que supervisiona o AIVD e o MIVD. É impressionante que muitos críticos concordem que o AIVD deveria receber mais influência, mas que a lei vai longe demais nesse aspecto. Alguns partidos políticos críticos apresentaram emendas para diluir a lei, alguns exemplos:

* Excluir / limitar a rede de arrasto

* Período de retenção mais curto

* Troca sem / limitada com serviços estrangeiros

* Regras de acesso estritas para dados dragnet

* Não é permitido hackear equipamentos físicos (por exemplo, medidor de insulina ou marca-passo)

* Limite os recursos de hacking de terceiros

* Relatórios de transparência sobre solicitações de dados por provedores

A única emenda aprovada na Câmara dos Representantes foi sobre criptografia. Os provedores de serviços de comunicação não precisam restringir a segurança (criptografia) do serviço para conceder acesso aos serviços de segurança.

Linha do tempo

2 de dezembro de 2013

2 de julho de 2015

Publicação do primeiro rascunho do projeto de lei, seguido de dois meses de consulta.

2 de setembro de 2015

1 de abril de 2016

Projeto alterado, segundo o qual os custos de interceptação não são mais arcados pelos provedores.

21 de setembro de 2016

28 de outubro de 2016

15 de dezembro de 2016:

Fortes críticas da Anistia Internacional e da Autoridade Holandesa de Proteção de Dados, entre outros.

7 de fevereiro de 2017

14 de fevereiro de 2017

11 de julho de 2017

1 de novembro de 2017

21 de março de 2018

1 ° de maio de 2018

Para informar?

Bits of Freedom criou um guia eleitoral (quase inacessível): www.waartrekjijdegrens.nl. Você pode descobrir mais sobre a própria lei no site AIVD, enquanto www.geensleep.net mapeia os pontos críticos.

Postagens recentes