In memoriam: Windows Phone

A Microsoft cancelou o Windows Phone. A empresa anunciou que o suporte será encerrado em dezembro: nenhuma nova vida será dada ao sistema operacional. Com isso, a Apple e o Google acabam tirando a palha mais longa. Como chegou a isso?

Em outubro de 2010, o ator e autor Stephen Fry não conseguiu esconder seu entusiasmo quando foi indicado pela Microsoft para promover o Windows Phone em Londres. Fry era conhecido anteriormente como fanático pelo iPhone, mas foi imediatamente convencido do potencial do novo sistema operacional.

Ele tinha bons motivos para estar animado: o sistema operacional da Microsoft já havia passado do seu tempo. Onde iOS e Android trabalharam com ícones imponentes, a Microsoft inovou com blocos dinâmicos que forneciam informações ao vivo sobre os próximos compromissos em seu calendário e suas chamadas perdidas. Você também viu exemplos de mensagens recebidas. Só mais tarde essas opções e funcionalidades de exibição chegaram aos conhecidos smartphones de hoje.

É rapidamente esquecido que os telefones com o sistema operacional da Microsoft se sentiam superiores aos da concorrência em vários aspectos: o teclado na tela geralmente funcionava de maneira excelente e a exibição de notificações era elegante e muito útil. A Microsoft marcou pontos especialmente na facilidade de uso, por exemplo, vinculando muitos serviços uns aos outros. Nesse sentido, a Microsoft, assim como a Apple, entendeu que os usuários desejam uma solução para todos os seus dispositivos.

Havia alguns telefones fortes, incluindo o Samsung Omnia 7 com uma tela OLED de 4 polegadas, o Dell Venue Pro com um teclado deslizante e o HTC 7 Surround, que teve uma ótima pontuação com o alto-falante integrado. Mas, especialmente no ano seguinte, o sistema operacional da Microsoft realmente ganhou destaque, com a chegada do Windows Phone 8X e 8S da HTC e do Lumia 800 da Nokia. Além disso, o Lumia 1020 define o tom para câmeras de telefone. Um monte de Windows Phones não eram perfeitos, mas em aspectos importantes como aparência, duração da bateria e design, telefones com este sistema operacional marcaram pontos.

Então por que deu errado?

Presumivelmente, principalmente porque a Microsoft invariavelmente falhou em atrair desenvolvedores de aplicativos. Cada vez que a Nokia lançava um novo telefone, tinha que justificar porque, por exemplo, ainda não havia suporte para o aplicativo Instagram. O Google alcançou um sucesso muito maior ao fornecer os aplicativos mais essenciais e conseguiu construir um ecossistema de aplicativos mais bem-sucedido.

O YouTube, em particular, fez muita falta nos Windows Phones, e isso não é surpresa. O Google e a Microsoft discutiram o aplicativo de vídeo durante anos, mas o Google continuou a se conter: o aplicativo do YouTube nunca viria para o Windows Phones. Especula-se que o gigante da Internet queria evitar que o sistema operacional da Microsoft se tornasse um competidor formidável do Android.

Em 2014, todas as boas notícias sobre o Windows Phone pareciam ter secado completamente. Naquele ano, a Microsoft fez uma grande aquisição e pagou aproximadamente 5,4 bilhões de euros pela filial telefônica da Nokia. O que se seguiu foi uma série de novos modelos e tentativas de reposicionamento (o Windows Phone passou a ser Windows Mobile), mas o estrago já estava feito: a competição passou como um raio.

Em 2015, ficou claro: os dispositivos iPhone e Android continuam a desempenhar o maior papel no mercado de smartphones. Segundo pesquisa do Gartner, em 2015, 96,8% de todos os smartphones rodavam com Android ou iOS. A Microsoft então teve que se contentar com uma participação de mercado de 2,5%. É provável que a porcentagem tenha caído ainda mais.

Em outubro de 2017, a palavra de ordem foi divulgada: o sistema operacional da Microsoft está morto. O guru do Windows Mobile, Joe Belfiore, trouxe ele mesmo as más notícias no Twitter.

Fim do suporte

O desenvolvimento do Windows Mobile pode ter sido interrompido. A Microsoft ainda deu suporte ao Windows Mobile após seu anúncio em outubro de 2017. No entanto, em janeiro de 2019, a Microsoft anunciou que isso também estava chegando ao fim. A Microsoft continuará a oferecer suporte ao Windows Mobile até dezembro de 2019. A Microsoft recomenda mudar para Android ou iOS posteriormente.

Postagens recentes